quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Deusa Isthar


RAINHA DO CÉU




Como Rainha-do-céu era concebida como a condutora das estrelas. Ela própria tinha uma vez sido estrela, a estrela da manhã e a estrela da tarde, que acompanhava Sinn, o então deus da Lua, como sua esposa. Posteriormente ela o substitui, passando a reinar e tornando-se Rainha-das-estrelas e Rainha-do-céu. Percorria o céu todas as noites em uma carruagem puxada por leões ou bodes.



Ishtar regia o planeta Vênus, quando se apresentava como guerreira destemida (na forma de estrela matutina) ou a cortesã sedutora (na forma de estrela vespertina). Por vezes, as duas formas se fundiam emergia a Senhora da Vida e da Morte. Invoque sempre Isthar ao cair da tarde e conecte-se com o planeta Vênus. Medite e peça à Deusa suas bençãos e reforce sua feminilidade e fertilidade.



As constelações zodíacas eram conhecidas pelos antigos árabes como as Casas-da-Lua, enquanto que o cinto zodiacal inteiro era chamado de "Cinto de Ishtar", um termo que se refere ao calendário da Lua dos antigos, para os quais os meses do ano eram as doze luas do ano solar. Assim, Ishtar era a Deusa-do-tempo, cujos movimentos governavam a semeadura e a colheita, e controlavam o ciclo anual das atividades agrícolas. Era conhecida como governante moral dos homens.



O nome do deus Sinn, é familiar para nós, se pensarmos no monte Sinai, que significa "Montanha-da-Lua". Esse fato lança uma luz interessante sobre a história judaica, pois foi no monte Sinai que Moisés recebeu as Tábuas da Lei. Sinn, como deus da Lua, era o antigo legislador, antecedendo de muito a Moisés. Foi portanto em um lugar muito apropriado que este procurou e encontrou as tábuas enviadas pelo poder divino.



RAINHA DO SUBMUNDO



Como Rainha-do-submundo,Ishtar entretanto, tornava-se inimiga do homem e destruía tudo aquilo que havia criado durante sua atividade no mundo superior. Era, então, cognominada a Destruidora-da-vida, a Deusa-dos-terrores-da-noite, a Mãe Terrível, deusa das tempestades e da guerra. Era também a provedora de sonhos e presságios, da revelação e compreensão das coisas que estão escondidas.



O submundo dos antigos representava, as profundezas escondidas e desconhecidas do inconsciente. Mas, quando nós reconhecemos que o inconsciente está dentro de nós, sendo a parte escondida de nosso psique, ele torna-se um lugar geográfico real, para o qual alguém poderia ir em uma jornada de barco ou carruagem.



A afirmação de que a Deusa-do-submundo possuía poderes mágicos, equivale a dizer que o inconsciente funciona de maneira secreta e desconhecido, isto é, mágica. Este fato é prontamente admitido por qualquer pessoa que dele tenha pelo menos um leve conhecimento.



Já que sofremos as conseqüências de seu poder inexplicável, seria interessante se pudéssemos manter uma boa relação com ele. Pois, para os antigos, a deusa da Lua era a rainha deste reino. Tinha ali tanto poder quanto no mundo superior. Uma relação segura e útil com os poderes do submundo podia ser obtida através de uma aproximação adequada com ela.



FORMAS MUTANTES



Em suas forma mutantes, Ishtar desempenha todos os papéis femininos possíveis. É chamada de filha como também de irmã do deus Lua, que é ao mesmo tempo seu próprio filho (Tamuz). É mulher, a personificação do Yin, do princípio feminino e do Eros. Para as mulheres ela é o próprio princípio de ser. Para os homens é a mediadora entre eles mesmos e a fonte secreta da vida, escondida nas profundezas do inconsciente.



Como seu filho, Tamuz, Ishtar era chamada Urikittu ou a Verde, a produtora de toda a vegetação. Seu símbolo era uma árvore convencional, chamada Asera, que era venerada como se fosse a própria deusa.



O poder e significação desta grande Deusa da Lua, Rainha-do-céu, que caiu nas águas do Eufrates e foi trazida à praia por um cardume de peixes servos, se encontram explicados num hino que encontra-se em uma das "Sete tábuas da Criação", que datam do século VII a. C, embora o próprio hino seja muito mais antigo.



Ishtar foi conhecida ainda como Grande Deusa Har, Mãe das Prostitutas. Sua alta sacerdotisa, Harina, era considerada a soberana espiritual "da cidade de Isthar". Antigo entalhe em uma parede de mármore retrata Isthar sentada à beira de uma janela. Nessa típica pose da prostituta, ela é conhecida como "Kilili Mushriti", ou "Kilili que se inclina para fora." Diz ela: "Uma compassiva prostituta eu sou".



Ishtar é "Diva Astarte, Hominum deorumque via, vita, salus: rusus eadam quae est pernicies, mors, interitus." (Divina Astarte, o poder, a vida, a saúde dos homens e o oposto disso que é o mal, a morte e a destruição).

Magia e Deusas..


ISHTAR DAS BATALHAS








Por dois dias, ao final do mês de maio, os romanos celebravam a Festa da Rainha do Submundo, uma celebração em honra as deusas do submundo Hécate, Cibele e Ishtar.



Apesar de Ishtar ser conhecida no Oriente Médio como a deusa do amor, ela era conhecida também por sua ferocidade nas batalhas e na proteção de seus seguidores. Quando neste aspecto,Ishtar conduzia uma carruagem puxada por sete leões, ou sentava-se num trono ornado com leões, portando um cetro de serpente duplo e ladeada por dragões. Ela era chamada de Possessora das Tábuas com os Registros da Vida, a Guardiã da Lei e da Ordem, a Dama das Batalhas e da Vitória. Seus símbolos eram a estrela de oito pontas, o pentagrama, o pombo e as serpentes. Usava um colar de arco-íris, muito semelhante ao de Freia nórdica. Como deusa guerreira, ela levava um arco.



Durante as noites de Lua Cheia (conhecidas como Shapatu), alegres celebrações aconteciam em seus templos. Nestes ritos, chamados chamados de Qadishtu sagrados, as mulheres viviam como sacerdotisas e em seus templos recebiam amantes para expressar a sexualidade como um dom sagrado de Ishtar. Estes ritos permitiam aos homens que comungassem com a deusa.



Ishtar é a deusa dos lados positivo e negativo que tudo regia; patrona das sacerdotisas, guardiã da lei, mestre. Amor, fertilidade, vingança, guerra, desejo amoroso, casamento, leões, cetro e serpente dupla, lápis lázuli, poderes de morte e concepção do mundo, purificação, iniciação, suplantar obstáculos.



Dois de junho era um dos dias sagrados de Ishtar na Babilônia.





RITUAL DE BANIMENTO e LIBERTAÇÃO



Este ritual deve ser realizado durante a Lua Nova ou Minguante. Pode ser efetuado para uma pessoa ou problema específico que esteja lhe atrapalhando. É também indicado quando precisar encerrar um relacionamento.



Serão necessários um incenso de banimento, um pequeno pedaço de papel, lápis, óleo de patchuli ou cânfora, uma adaga ou espada, um vasilha com pequenas quantidades de louro e olíbano em pó e um caldeirão metálico.



Acenda o incenso. Escreva o nome do problema ou da pessoa no papel e deposite-o no altar ao lado do óleo de patchuli. Em uma pequena vasilha deverão estar o louro e o olíbano.



Erga a espada ou adaga à sua frente, apoiando a ponta no caldeirão. Bata seu pé contra o chão e diga:



uça-me, ó poderosa Ishtar.



Este é um período de libertação, de livrar-se de algo.



Eu corto todos os laços com (nome da pessoa ou problema).



Envie seus grandes poderes para que isso (ele/ela) saia da minha vida.



Permaneça segurando a espada à sua frente enquanto mentalmente visualiza a pessoa ou o problema afastando-se rapidamente da ponta da espada. Veja-o despencando dentro do caldeirão até desaparecer. Tente vê-lo desaparecer por completo. Não especifique o modo como deseja que isso ocorra, deseje apenas que o problema não mais lhe cause transtornos.



Apanhe o papel e espete-o na ponta da lâmina, dizendo:



Todos os laços estão cortados.



Nada mais nos une.



Você está sendo carregado pelos ventos da Senhora das Batalhas.



Remova o papel da lâmina. Ponha uma gota de óleo de patchuli ou cânfora nos quatro cantos e no centro. Queime dentro do caldeirão.



Rainha dos Céus, Deusa da Lua,



Lance seus poderosos raios sobre meus inimigos.



Que eles se curvem em derrota.



Defenda-me, Senhora das Batalhas e da Vitória!



Polvilhe um pouco de ervas picadas sobre o papel enquanto este queima; se este já estiver consumido, faça um pequeno montinho de ervas e acenda-o. Diga:



A renovação vem do caldeirão do Submundo.



Assim como Isthar ascendeu vitoriosa de sua jornada,



Eu me renovo através de seu amor e sabedoria.



Livre-se do papel e das ervas queimados usando a descarga de seu banheiro, uma simbologia adequada para livrar-se de problemas.



ORAÇÃO À DEUSA ISHTAR



Ó deusa dos homens, ó deusa das mulheres,



tu, cujo desígnios ninguém pode compreender,



Onde olhas com compaixão o morto vive outra vez,



o doente é curado, o aflito é salvo de sua aflição.



Eu, teu servo, pesaroso, em suspiros



e em angústia, te imploro.



Considera-me, ó minha senhora,



e aceita a minha súplica.



Compadece-te de mim e ouve a minha oração!



Grita para mim "Basta!" e deixa que



o teu espírito seja apaziguado.



Por quanto tempo irá meu corpo, que está cheio



de inquietação e confusão, lamentar?



Guia meus passos na luz, que entre os homens



eu possa gloriosamente procurar o meu caminho!



Deixa minha oração e minha súplica chegar a ti,



E deixa tua grande compaixão cair sobre mim,



Para que aqueles que para mim olharem,



possam exaltar o teu nome,



E que eu possa glorificar a tua divindade



E o teu poder diante da humanidade!

Os 4 elementos


Sou a Terra que o sustenta


Meu Sopro é o Ar

que você respira.

Sou o Fogo que arde

dentro do seu coração.

Sou a Agua que gera e fertiliza.

Estou em tudo, nos ceus,

nas estrelas e no mar.

Estou dentro e fora de você.

Sou a Senhora da Vida e meus são os poderes dos elementos.



Os 4 elementos estäo ligados a emoçäo, a Natureza em todas as suas manifestações e a psiquê do homem. Conectar os 4 elementos da Natureza é muito irnportante, pois é através deles que toda a Magia é veiculada. Cada elemento possui atributos especificos, e quando entramos em contato com a força de cada um deles, através de rituais e mentalizações, atraimos o seu poder para dentro de nós.



Meditar sobre os elementos é um fator muito importante, pois conectamos nosso Eu Superior e a parte mais profunda de nosso ser. Através da meditação dos 4 elementos da Natureza, trazemos a força deles para o nosso interior. Só dessa forma poderemos vivenciar o verdadeiro sentido e significado de cada elemento.



Os povos antigos sempre dividirarn o mundo em quatro Elementos básicos, que representam os principios através dos quais o Universo opera: Terra, Ar, Fogo e Agua.









Texto por Claudiney Prieto - Wicca - A Religião da Deusa

Deusa Innana


Fui até lá




de livre vontade



Fui até lá



com meu vestido mais lindo



minhas jóias mais preciosas



e minha coroa de Rainha do Céu



No Inferno



diante de cada um dos sete portões



fui desnuda sete vezes



de tudo o que pensava ser



até que fiquei nua daquilo que de fato sou



Então eu a vi



Ela era enorme e escura e peluda e cheirava mal



tinha cabeça de leoa



e patas de leoa



e devorava tudo que estivesse à sua frente



Ereshkigal, minha irmã



Ela é tudo o que eu não sou



Tudo o que eu escondi



Tudo o que eu enterrei



Ela é o que eu neguei



Ereshkigal, minha irmã



Ereshkigal, minha sombra



Ereshkigal, meu eu















Inanna era a Deusa da Suméria responsável pela reprodução e fecundidade, prolongamento da tradição das "Deusas-Mães" atávicas. Foi identificada em Afrodite, Ísis, Isthar (seu nome babilônio),etc. Ela era a rainha do 7 Templos, padroeira da vila de Uruk e a portadora das Leis Sagradas (Me).







O sonho dos sumérios era transformar a terra seca de Suméria em algo parecido ao jardim paradisíaco de Dilmun. Temiam tanto a inundação como a seca. A cada ano, a temporada de seca ameaçava converter em um deserto ressecado, que era como os sumérios imaginavam o inferno.







A contribuição mais importante dos sumérios foi a invenção e criação de uma escrita e conseqüente literatura. Seus trabalhos revelam sua identidade religiosa, idéias éticas e suas inspirações espirituais. Entre estes trabalhos estão os "hymns"e as histórias de Inanna.







Inanna foi casada com o pastor mortal Damuzzi, que o transformou em rei. Esta união fez com que a terra prosperasse e a fertilidade reinasse. Cada ano novo, o rei de Uruk e a sacerdotisa superior de Inanna, a Senhora do Céu, reconstruíam a boda entre o pastor e a Deusa. Se acreditava que isso assegurava a fertilidade da terra para esse ano.







A morte anual de Damuzzi se celebrava com ritos de luto. O espetáculo de mulheres chorando por ele se menciona na Bíblia em Ezequiel 8:14.







Como a maioria dos mitos sumérios, o de Inanna e Dumuzzi sobreviveu à extinção da Suméria. Em 1750 a.C., Hammurabi, rei da Babilônia, se converteu no único soberano da antiga suméria. Os babilônios absorveram grande parte da cultura suméria, incluindo a mitologia.















VISITA DE INANNA AO DEUS ENKI







Inanna, certa vez, tomou a iniciativa de fazer uma visita ao deus da sabedoria, que morava no Abzu, o céu dos deuses sumérios, a morada deles. Tinha como propósito honrá-lo e lhe proclamou uma oração. Enki era o deus sumério que conhecia as leis do céu e da terra, o coração dos deuses, assim como todas as coisas.







Enki mandou preparar uma bela acolhida para Inanna: bolo, água fresca e cerveja. Mas o encontro, que deveria ser prazeroso torna-se um tormento quando os dois embebedam-se, perdendo a medida do que estavam fazendo. O deus da sabedoria acabou perdendo sua sabedoria, enfeitiçado com os encantos de Inanna. Tornou-a então, sacerdotisa, a intermediária oficial capaz de render o culto certo aos deuses. Enki lhe diz a seguir que ela teria a possibilidade de descer aos infernos e voltar, portanto iria conhecer a realidade da vida e da morte, um conhecimento muito profundo. É o trânsito entre o mundo inferior e superior, entre a vida e a morte, entre o céu e a terra, entre o homem e a mulher que nos leva à grande Verdade.







Enki levantou levantou quatorze vezes o cálice para Inanna, dando-lhe cada vez mais dons sagrados, conhecidos como "me". Quatorze não é um número qualquer. Encontramo-lo nas quatorze portas, sete para descer e sete para subir, que Inanna terá de transpor na sua descida aos infernos e sua subida de lá. Quatorze foram os pedaços em que foi desmembrado o corpo de Osíris no Egito Antigo e que Ísis teve de reencontrar. Quatorze parece ter a ver com etapas de qualquer processo de iniciação profunda. Aqui, no caso de Inanna e Enki, seriam talvez as etapas do processo civilizatório do povo de Uruk, para que vivesse como um povo civilizado, dentro de uma cidade cuja economia estava principalmente baseada na agricultura.















Inanna reinava sobre tudo, determinava a maneira de vestir, falar, viver a sexualidade, de se comunicar e de trabalhar.







Ela estava presente em tudo, na arte, na prostituição, na taverna sagrada, na falsidade, no medo. Era também protetora de todo o trabalho artesão. Era a Rainha e a alma de tudo que se vivia de bom ou ruim.







Os dons vinham do céu, dos deuses, mas somente ela iria levá-los para os seres humanos e mostrar-lhes a arte de usá-los de modo adequado. Aqui percebe-se claramente que estamos diante do matriarcado, pois é uma mulher que é a sacerdotisa suprema, a que é capaz de re-ligar o mundo dos deuses com os seres humanos e vice-versa.















DEUSA LUNAR







É também chamada de "Estrela do Amanhecer e do Anoitecer", simbolizando a morte e o renascimento. Neste aspecto tomava o nome de Ninsianna, encarnado uma Deusa que conduzia os homens à evolução e ao crescimento da civilização, quando "Estrela do Amanhecer"; e como Deusa da Estrela do Anoitecer, estava diretamente associada às prostitutas sagradas e julgar o que era injusto.







Já como Deusa da Lua, encontramos sua representação na Lua Crescente. Como Deusa Fertilizadora e Deusa dos grãos era honrada com pães feitos de trigo, vinho, cerveja e tâmaras. Também foi associada aos animais selvagens e domésticos como o carneiro e a vaca.







Inanna é a Rainha do Céu. Ela pode acolher todas as criaturas sob o seu manto brilhante. É Ela que gera as constelações. A estrela da noite forma seu trono. Quando se instala sobre ele, fica no campo cinza dos oito raios brilhantes sobre o crescente da lua.

A descida da Deusa



DESCIDA AO SUB-MUNDO
Inanna era a Rainha do Céu e da Terra, mas não sabe nada do submundo e sua missão agora é desvendar seus segredos. Ela descerá para presenciar os rituais de sepultamento de Gugalana (grande touro do céu), marido de sua irmã-avó Ninlil-Ereshkigal, Rainha do Submundo que reinava sobre os sete infernos dos submundos médio-orientais. Inanna deveria testemunhar de modo presente a sombra reprimida do Deus celeste, o fato dele ter sido um estuprador e por isso mandado para o mundo subterrâneo como castigo.








Mas Inanna prepara uma estratégia de resgate, caso ela não retornasse da jornada em três dias. A Deusa já pressentia que precisaria de ajuda e confia o seu salvamento à Ninshubur, sua executiva de confiança. Inanna havia pedido para pedir ajuda ao deus celeste Enlil, o pai supremo universal, depois a Nanna-Sin, seu pai pessoal e deus lunar e, finalmente, até Enki.















Haviam sete portais que Inanna deveria cruzar rumo ao seu objetivo final. Em cada uma destas portas se vê despojada de seus instrumentos de poder, desde sua coroa até suas vestes. No sétimo e último portal,



totalmente nua encontra-se com Ereshkigal, sua irmã e rival. A retirada de todos seus pertences se faziam necessário, porque o "ego" tentaria se defender com todos os seus poderes conscientes.







A coroa de Inanna, por exemplo, significava o seu poder intelectual. Suas jóias e adornos, simbolizavam seu poder de agir e a sua habilidade crítica de julgar. As suas vestes reais, seriam as defesas de seu psique e uma das formas de proteção contra tudo e todos.







Totalmente nua, seria a única forma com que Inanna poderia se relacionar com sua sombra. Neste estado vulnerável, Inanna enfrenta sua irmã (sua sombra), é presa e crucificada num poste do mundo inferior, constituindo-se numa imagem de divindade feminina agonizante. Como qualquer iniciada, ela se rende corajosamente ao próprio sacrifício, para ganhar nova força e conhecimento. Como a semente que morre para renascer, a Deusa se submete.















Sozinha e na escuridão, Inanna decompõe-se. Mas nem tudo está perdido, esta experiência e a aceitação de sua vulnerabilidade, a descoberta da necessidade do sacrifício e da morte para que os ciclos da vida se perpetuem, aumentam o poder de Inanna, assim como sua compreensão e beleza. Inanna oferece-se em sacrifício, testemunha a morte das forças férteis e traz a si mesma como semente. E de sua imolação voluntária depende a continuidade da criação. A idéia fundamental é de que a vida só pode nascer do sacrifício de outra vida.







É Ninshubur que dá o alarme depois que Inanna se ausenta por mais de três dias, conclamando mulheres e homens e pedindo a intercessão dos deuses celestes em favor da Deusa. Ambos os deuses, o celeste e o lunar, recusam-se ou não ousam resgatar Inanna do local de estagnação do Mundo Inferior.







É somente de Enki que receberá ajuda. Ele é o deus da sabedoria, que mora no fundo do abismo. Em vários mitos ele aparece ao lado de Inanna. Da sujeira que estava embaixo das suas unhas pintadas de vermelho de uma de suas mãos ele cria Kurgarra e da sujeira da outra, Kulatur. Eles são descritos como "devotos assexuados" ou criaturas nem macho nem fêmea. Estas criaturas, representam a atitude fundamental para atrair as bençãos da Deusa Escura.















Quando tais criaturas chegam ao Submundo para resgatar Inanna encontram Ereshkigal com dores de parto sofrendo terrivelmente. Os carpidores de Enki aproximam-se da Deusa, vendo e sentindo o seu sofrimento, lamentando com Ereshkigal.



Quando ela diz:







-"Ai, está doendo dentro de mim!"



Eles respondem:



-"Ai! Tu que gemes, nossa Rainha. Ai! Está doendo dentro de ti!"



Quando ela diz:



-"Ai, está doendo fora de mim."















Eles ecoam:







-"Ai! tu que gemes, nossa Rainha. Ai! Está doendo fora de ti".



O eco compõe uma litania, transforma a dor em oração e poesia.







A miséria escura da vida se transforma em canção da Deusa. Estabelece a arte como uma resposta solidária, reverente e criativa às paixões e dores da vida. O que agora jorra de Ereshkigal não é mais destruição, mas generosidade.







Ereshkigal, grata pela ajuda das criaturas, resolve recompensá-los. Eles pedem o corpo de Inanna que está pendurado e ela entrega-o. Inanna está transformada, generosa e benéfica. Deu-se um milagre pelo seu sacrifício e por Enki ter tomado a atitude adequada. A fertilidade do touro do céu que havia morrido renasce no útero sombrio. Inanna é reintegrada na vida ativa entretanto, ela volta dentro de uma atmosfera demoníaca, pois está rodeada pelos pequenos demônios impiedosos de Ereshkigal, cuja tarefa é reivindicar os mortos. Eles devem exigir um substituto para levarem ao mundo subterrâneo e Inanna retorna com seus próprios "olhos de morte" para escolher o bode expiatória







Descobre então, que Damuzzi (seu marido), em sua ausência usurpara-lhe o lugar no trono do céu. Ficou colérica e permitindo que os demônios lhe prendessem e o levassem. Depois sentiu pena dele e apelou a Ereshkigal para que o liberassem. Entretanto, lhe foi permitido tão somente uma troca e Geshtinana (Deusa dos caniços de papiro), a irmã de Damuzzi se oferece para alternar com ele a permanência no reino de baixo. Ela atuará como um apoio para a dimensão do sofrimento do irmão.















Assim, durante o outono e inverno, Damuzzi permanece no inferno e as colheitas não se reproduzem, enquanto que na primavera e verão, ele sai da terra para participar do reino de cima e a colheita é farta.



Esta é a origem da celebração do ano sumeriano.







O mito da descida e retorno de Inanna está centrado no arquétipo do intercâmbio de energia através do sacrifício. Ele revela uma complexidade: o touro celeste é morto e a terra perde então seu princípio fecundador, mas é recompensada pela amolação da Deusa Inanna, que torna-se a carne do submundo, seu alimento e fertilizante apodrecido que, em troca, é resgatado a partir das origens de Enki.















A ascensão da Deusa deve ser paga pelo nascimento de alguma coisa monstruosa das entranhas de Ereshkigal, pelo sofrimento e, finalmente, pela descida de uma oferenda substitutiva.







Em seu aspecto benéfico, Ereshkigal podia permitir aos humanos a retirada de riquezas de seu reino como: pedras preciosas, metais e petróleo, mas não antes de ser devidamente honrada. Como aspecto de Anciã da deusa e irmã de Inanna, Ereshkigal regia a magia negra, a vingança, a retribuição, as Luas Minguante e Nova, a morte, a destruição e a regeneração.







Inanna marcha com determinação para o mundo inferior, indo de maneira ativa e consciente para o auto-sacrifício. É assim que a mulher moderna tem que aquiescer e cooperar na introversão e regressão necessárias ao mundo subterrâneo, o mundo dos níveis arcaicos e mágicos da consciência.















Deve descer para encontrar seus começos instintivos e encarar a face da Grande Deusa, e a sua própria antes de ter despertado para a consciência. Deve ir até a matriz das energias transpessoais antes de elas terem sido liberadas e tornadas aceitáveis. É o sacrifício do que está em cima em favor do que está embaixo.







A Terra e o Mundo Subterrâneo vistos como uma descida, e também como um processo de transformação, não apenas correspondem à experiência de muitos indivíduos em processo de individualização, mas ainda, pode demonstrar que se trata de um evento coletivo da cultura moderna como um todo.

SACERDOTISA ENHEDUANA

Como já descrevemos anteriormente, a Deusa Inanna, oriunda da antiga civilização da Suméria, em sua beleza celestial, era venerada como Deusa da Lua. O primeiros trabalhos a serem escritos e preservados sobre essa Deusa eram de autoria de Enheduana, nascida em 2.300 a. C, uma sacerdotisa da Deusa Lua.



Seus escritos em forma de poesia, assemelham-se mais a um diário pessoal, repleto de adoração à Deusa da Lua, de sublevações políticas, de sua expulsão do templo e de seu retorno a ele. Escreve com sensualidade e intimidade sobre a Deusa do Amor Inanna.



Eis algumas de suas palavras sobre a imagem da Deusa Inanna e das essências divinas:







"Senhora de todas as essências, cheia de luz,



Boa mulher, vestida de esplendor,



Que possui o amor do céu e da terra,



Amiga do templo de An,



Tu usas adornos maravilhosos,



Tu desejas a tiara da alta sacerdotisa



Cujas mãos seguram as sete essências.



Ó minha Senhora, guardiã de todas as boas essências,



Tu as reuniste e as fizeste emanar de tuas mãos.



Tu colheste as essências santas e as trazes contigo,



Apertadas em teus seios."















Enheduana também experimenta poderosa cólera e fúria para com a Deusa do Amor, a Deusa da Lua em sua fase negra:







"Como dragão, encheste a terra com veneno.



Como trovão, quando bradas sobre a terra,



Árvores e plantas caem diante de ti.



És o dilúvio descendo da montanha,



Ó Deusa Primeira,



Inanna, Deusa da Lua, que reina sobre o céu e a terra!



Teu fogo espalha-se e cai sobre a nossa nação.



Senhora montada numa fera,



An te dá qualidades, poderes sagrados,



E tu decides.



Estás em todos nossos grandes ritos.



Quem pode compreender-te?"















Quando um novo governante (Lugalanae) assumiu o poder, mudou todos os rituais sagrados. A sacerdotisa Enheduana foi banida do templo e escreve então sobre seu desespero de tal perda:







"Tu pediste-me para entrar no claustro santo, o"giparu",



E eu entrei nele, eu, a alta sacerdotisa Enheduana!



Eu carreguei a cesta do ritual e cantei em seu louvor.



Agora encontro-me banida, em meio aos leprosos.



Nem mesmo eu consigo viver contigo.



Sombras penetram a luz do dia,



A luz escurece à minha volta,



Cobrindo o dia com tempestades de areia.



Minha suave boca de mel torna-se repentinamente confusa.



Minha linda face agora é pó."















Mas Enheduana logo em seguida, retorna à sua condição inicial, e recupera novamente a alegria, a beleza e o relacionamento com a Deusa:







"A Primeira Senhora da sala do trono,



Aceitou a canção de Enheduana.



Inanna a ama novamente.



O dia foi bom para Enheduana, pois ela vestiu-se de jóias.



Ela vestiu-se com a beleza própria das mulheres.



Como os primeiros raios do luar sobre o horizonte,



Quão exuberante ela se vestiu!



Quando Nana, pai de Inanna,



fez sua aparição,



O palácio abençoou Ningal, mãe de Inanna.



Da soleira da porta celeste veio a palavra:



"Bem-vinda!".















Os escritos de Enheduana são muito importantes, pois trazem à luz a profunda devoção de uma mulher humana, sacerdotisa, à Deusa do Amor. Enheduana vive sua beleza e sensualidade como dádivas concedidas pela Deusa. No momento em que ela não pode mais venerá-la no templo, sente o vazio obscuro e sombrio, e sua própria imagem da Deusa, sua radiante beleza feminina fica encoberta.







Através da fantasia poética de Enheduana e de seus relatos históricos sobre a Deusa Inanna, podemos entender com mais clareza o significado dos rituais religiosos em que ela era a figura mais importante e decisiva. Ainda assim, Inanna permanece um mistério, em grande parte porque a nossa atitude moderna torna mais difícil para nós agarrarmo-nos àquilo que vemos como paradoxo em sua imagem: sua natureza sexual era um aspecto integral de sua natureza espiritual. Para a maioria de nós, tal conjunção é uma contradição. Nos tempos antigos, no entanto, era unidade.

Inana Hoje e a Jornada ao submundo.

INANNA HOJE








No ciclo de Inanna há a criação, a reprodução e a destruição. A força da Deusa reside na capacidade de desistir daquilo que há de mais precioso, a fim de garantir crescimento e regeneração, a transformação só pode ocorrer quando atitudes e valores antigos são substituídos por novos.







Quando ocorre em nossa vida a ruptura de um relacionamento e se tenta iludir-se com o retorno do parceiro, a vida pára. Até para que uma relação persista, antigas expectativas devem ser sacrificadas para o bem do desenvolvimento psicológico de cada indivíduo. A morte e o pranto têm pelo menos o propósito de permitir a regeneração no relacionamento. Sem o processo de confrontação de pressupostos antigos, independentemente de quão dolorosos sejam, o relacionamento, seja como for, acaba morrendo.















A submissão à escuridão, à sombra, a aceitação dos aspectos negativos de "anima" e "animus", o lado afetivo e instintivo à natureza, e a assimilação do inconsciente no sentido de integração da personalidade, são algumas das expressões mais significativas que caracterizam o início decisivo do desenvolvimento psíquico do homem moderno.











Inanna chega até nós para dizer que uma jornada até o inferno é o caminho para a totalidade. Você como Inanna deve desafiar seu lado sombra, abraçar esta sua irmã do submundo e tentar desvendar seus mais secretos segredos. É necessário conhecer todos os aspectos de si mesma(o), tanto os bons quantos os ruins para se conquistar a totalidade.



















Abandone você também todos os seus pertences, deixe cair suas vestes e entregue-se à viagem em busca de seu lado sombrio. Aventure-se na escuridão do seu ser, pois é só assim que alcançará o equilíbrio, a iluminação e a inteireza.







Esta jornada deve durar o tempo que for preciso. Quando chegar ao sub-mundo, Inanna irá lhe receber e seu retorno será repleto de glórias, mas com consciência da sua vulnerabilidade, pois só assim, poderá erguer-se aos céus impulsionada (o) com a força do conhecimento e da sabedoria adquiridos.















JORNADA AO SUB-MUNDO







Para realizar esta jornada você necessitará em primeiro lugar de um recinto fechado, de preferência chaveado para ter o máximo de privacidade. Outros materiais:







1 vela branca (colocada à sua frente)



1 taça com água (à direita)



1 incenso (à sua escolha, pode ser colocado à esquerda).



1 espelho















Como a deusa Inanna você escolheu fazer esta viagem ao sub-mundo, portanto é necessário tenha consigo 7 objetos para se desfazer, podem ser peças de roupa.







Crie um espaço sagrado no seu imaginário, sente-se ou fique em pé, em frente à vela e invoque com suas próprias palavras ou diga:







Oh Inanna, Rainha do Céu e da Terra,



Que regenera nossos destinos à cada lua nova,



Nos envolva com seu manto de sabedoria e beleza



E nos guie nesta viagem, que já lhe é tão conhecida



Estou disposta(o) à descer ao sub-mundo



para compreender sua magia e mistérios,



pois estes conhecimentos são necessários



para a evolução de minha alma.



Deusa Inanna, poderosa rainha dos povos antigos



Abençoa-me na luz da sua onisciência!















Quando achar que estiver pronta(o), inspire profundamente e expire, desapegando-se de tudo. Inspire e relaxe o corpo. Agora abra os olhos e se encare-se no espelho. Lentamente comece a tirar sua roupa, dando a cada uma delas o nome de um elemento que é negativo em sua vida (inveja, ciúme, raiva,etc). Diga adeus a estes elementos e deixe as vestes caírem ao chão. Se quiser, realize estes gestos com música, o efeito é surpreendente. Feito isso, sente-se em frente a vela.







Volte a inspirar e expirar lentamente por três vezes e sinalize então a entrada de uma caverna. Você está diante dela e deve entrar. Lá dentro é seguro e você descerá bem fundo, até ver uma luz no fim deste túnel. É o limiar do Inferno.







Entre sem medo e chame sua sombra. Qual é sua aparência? Como ela faz você sentir? O que ela tem para lhe dizer? Tente conversar com ela por um determinado tempo. Se tiver medo quando encontrar este seu lado sombrio, continue respirando profundamente e reconheça o medo, ele está ali para ajudá-la(o). Ser capaz de testemunhar todos os aspectos de nós mesmos, com ou sem medo, é o que nos leva à totalidade.















Agora é hora de voltar, portanto diga adeus à sua sombra e caminhe de volta ao túnel, sentindo-se energizada(o), revigorada(o). Suba cada vez mais até chegar a entrada da caverna. Respire fundo e, enquanto solta o ar, volte ao seu corpo. Respire fundo mais uma vez e quando estiver pronta(o) abra os olhos. Feliz Retorno!



















Minha vulva, a meia-lua,



o Barco do Céu,



Está cheia de avidez como a jovem lua.



Minha terra não lavrada está abandonada.



E eu, Inanna,



Quem irá arar a minha vulva?



Quem irá arar meus altos campos?



Quem irá arar meu chão úmido?"



(in A Prostituta Sagrada. A Face do Eterno Feminino, Nancy Qualls-Corbett, pp.160).















TEXTO PESQUISADO E DESENVOLVIDO POR







ROSANE VOLPATTO

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Magia para se livrar das dividas

Pague o Universo na Panela da Bruxa








Esta magia é muito simples, mas precisa ser seguida à risca para que realmente funcione; você vai precisar uma panelinha de barro, podendo ser dessas terrinas que se usam para comer sopa ou feijão.



Esta panela não deve nunca ser tampada por isso pode ser a terrina ou outro recipiente de barro, sem tampa.



O que deve fazer é bastante simples:



Toda vez que você receber dinheiro, não importa se é dado ou ganhado com trabalho, deve colocar uma moeda desse dinheiro ou uma nota de papel do mesmo.



Não é o 10%, isto não é o dízimo, é magia mental; se receber $R 300.00 -por exemplo- coloque uma nota de um real ou uma moeda de centavos de reais na panela.



Se ganhar $R 10.00 faça a mesma coisa, e toda vez que receber dinheiro, já seja uma vez ou muitas no mesmo mês.



O que teve ter sempre em mente, é que não importa o que acontecer ou a necessidade que tiver, o dinheiro da panela não pode nunca, em hipótese alguma ser retirado dela.



Se o fizer continuará com suas dívidas da mesma forma que se não estivesse fazendo a magia.



Todas as pessoas para as que ensinei isto e o fizeram corretamente, pagaram todas as suas dívidas em 3 meses; inclusive pessoas que deviam muito dinheiro.



Lembro de estar conversando com dois amigos, faz alguns anos, e um deles nos comentou “devo dois mil dólares e nem sei com vou pagar”; o outro se riu muito e disse: “eu gero dois mil dólares de juros e correção monetária por mês, assim que imagina o tamanho da minha dívida”.



Dei de presente uma panela para cada um e ensinei esta magia; o segundo quebrou a panela no dia que embarcava para Montevidéu, e teve de comprar outra aqui.

Mas em 3 meses me ligou me perguntando o que devia fazer coma as moedas da panela porque já havia liquidado as dívidas.



O outro teve de reiniciar o processo várias vezes porque duas por três retirava dinheiro da panela, ou os filhos pegavam para comprar doces.



Então este é outro ponto importante: guarde a sua panela num lugar onde outros não peguem os trocado para ônibus ou outras coisas, pois você pode nem perceber isto e não conseguir pagar as contas por esse motivo.



As moedas na panela representam a sua intenção de pagar as contas ao Universo, e ele lhe responderá lhe dando os meios para fazê-lo; por isso não pode ser retirado o dinheiro dela, porque significa que sua intenção não é firme e assim o Universo entende que você ainda não decidiu mesmo fazer os pagamentos, não lhe respondendo como você precisa.



Seja firme em sua decisão!
Fontehttp://magiabruxa.com/magia-para-livrar-se-das-dividas/





Um Ramo de Rosas Pretas



Quando a Mulher entra na Vida, vem vestida com o Vento do Espírito, carregando um ramo de rosas brancas.


Elas representam as Vidas que dará, as historias que deve ouvír, conhecer e contar; são muitas, e não poderá fazê-lo com todas, não poderá dar-lhe vida a todas elas, mas pode ouví-las e contá-las.





Cada rosa branca que não se transforma em historia, converte-se numa rosa vermelha, que se desfaz em seu interior e sangra as portas do céu, sem poder entrar.



Cada uma dessas vermelhas rosas, que se desfaz em pétalas de esquecimento, transtorna a sua vida, e lhe faz “ferver” o sangue, por ter que pagar por algo que não quis dar.



Pagar com seu sangue, pelas historias de Vida que não ouviu, não conheceu e que não contará.

Despois que paga a sua cota de esquecimento, fica um vazio, que será substituído por uma rosa preta; o preto da ausência, da falta de cor, da falta de conhecimento.



E assim, seu ramo branco, transforma-se com o tempo, num ramo de rosas pretas, que se completará o dia, que você tenha terminado de escolher as fábulas e lendas as quais deu Vida, e que se tenham desintegrado todas as outras que quis esquecer.



Você tem ao redor de quatro décadas para escolher, ouvír, conhecer ou contar; quatro décadas, quarenta anos; quatro que representa a matéria, os quatro elementos, e zero que é o círculo, o Universo no qual você vive.



Um Universo pleno das belas historias que palpitam, em cada rosa branca que conforma seu ramo, mas que também estão esperando Ser nos outros, em muitos dos que cruzam o seu caminho, e aos quais você pode dar uma de suas brancas flores, ajudando-os a viver a sua própia historia, que é igual a uma das suas.



Quando você o faz, isso não impede que tenha que pagar com seu sangue a Vida que não criou, mas impede que seu ramo, se transforme em um ramilhete de pretos vazios; pois você preenche esse vazio, com a Vida do Ser que ajudou a contar a sua historia, a encontrar o propósito do seu existir.



Se não gera a Vida em você mesma, pode fazê-lo, ajudando a outros a gerar a deles, você somente tem que abrir-se e ver, conhecer o outro, ao que está ao seu lado, ao lado do seu caminho, e espera a sua mão amorosa, a sua palavra amiga, o seu Amor Incondicional como Criadora de existências, como contadora de historias, como a especialista em fábulas e lendas que você é.





No final de sua existência, se não cumpriu com a sua parte, lhe sobrará nos braços um imenso ramo de rosas negras, que serão recolhidas, e semeadas em seu céu interior, criando nesse céu que é a sua felicidade, tantos ” buracos negros” como historias não tenha contado.



São os mesmos buracos que você levará a través dos Tempos, para a sua próxima existência, e que somente poderá preencher, encontrando a felicidade de ser uma contadora de historias.



Tudo é perfeito em si mesmo, tudo é justo em si mesmo, por isso é justo que você que pode dar Vida a outros, de inúmeras formas, em você, ou a través de você, pague com seu sangue a negação da existência de outros.



Porque quando não o faz, esses outros se tornam os “demais”, criando uma corrente de desgraças, ao não ter querido cumprir a sua parte no esquema das coisas.

A sua parte, que é honrar o juramento que fez, de propagar a Vida, ser Uma com a comunidade que lhe cerca, protegendo assim a herança sagrada das Sacerdotisas Escarlate.



Herança de Sangue e Luz; que se transforma em Sangue e Sombras; sombras que vaziam a sua existência, vertendo pouco a pouco o fluido vermelho que sai do seu ventre, e rega a Terra, para que as historias desfeitas, retornem ao Grande Mar.



Historias transformadas em cristais de areia, para que qualquer um que tenha ouvidos para ouvír, e olhos para ver, ilumine as Areias do Infinito, e leia as historias que você não quis contar.



Se você pode, se você quer, comece a olhar ao seu redor; abra-se aos que lhe rodeiam, olhe-os com olhos de contadora de historias, e adivinhará neles o Castelo dos Sonhos, pleno de velhas lendas, que não estão tendo a oportunidade de ser, e regale-lhes a Graça de um existir, compartido sob o cálido fulgor da Luz, que iluminará a Vida de ambos.



Para fazê-lo, você deve descobrir a sua forma de propagar essas Vidas; pode ser pintando, esculpindo, escrevendo, dançando, cantando, compondo melodias, ou simplesmente sendo Amiga, porque a amisade é uma Arte, que vai da mão dos Jardineiros.



Eles são os “plantadores” de Árvores de Vida, que conhecem as raízes da Mãe Terra, de onde se originam esses seres verdes, cheios da Savia da Vida, mas que precisam de um jardineiro Amigo, uma jardineira amistosa, que os reguem, até que cresçam e sejam fortes.



Fortes o suficiente, para abrigar na sua sombra, os que a ele chegam, ainda sementes, para submergir-se nos braços da Mãe Terra, criar raízes, nutrir-se Dela, crescer e elevar-se aos céus, para albergar outras almas, outras memorias, outras historias que palpitam em cada semente, que espera ser chamada para Ser.



Depois de tantas coisas que tenho falado, (Ratziel), e muitas outras que ainda virão, você pode ver que não se trata de que uma polaridade de seres, tenha mais vantagem que outra; pois cada uma delas vem com a sua própia responsabilidade.



Esses seres, homens e mulheres, não são nada uns sem os outros, pois nenhum pode completar seu objetivo de Vida sem abrir-se, entregar-se, dar-se aos outros; e nisso radica a perfeição, a liberdade e a felicidade, no fato de que todos nascemos com o mesmo propósito: alcançar a Consciência Cósmica, a Consciência Una.



Podemos fazer nossa viajem de uma forma mais tranqüila, caminhando todos da mão, ou mais difícil, viajando juntos mas separados, até que possamos compreender, que somente despertaremos para essa Consciência Universal, que é a nossa meta primordial de união com os outros, no enlace de historias que confirmam e conformam a rede de energias e essências que cobre o planeta.




Grande Mãe



A Grande Mãe


O Culto Pagão da Grande Mãe

Por: Arsenio Hypollito Junior



Diante das cavernas, à luz pálida do luar, os homens do princípio dos tempos se reuniam reverentes, acendiam fogueiras e cultuavam a Grande Mãe Terra. Encontravam nela proteção, alimento e amor.

Durante centenas de milênios, muitas civilizações vieram e passaram...

De algumas poucas restam desgastados monumentos, de outras, ligeiras lembranças escondidas em lendas e mitos... Porém, da grande maioria só chegou até nós vagas memórias genéticas, passadas de pai para filho como um grande eco a ressonar nas regiões mais profundas do inconsciente. Cada uma destas civilizações teve seu meio próprio meio de expressão, sua forma específica de ser, seus objetivos, sua cultura, seu sistema de vida. Mas em todas elas o culto a Mãe Terra se manteve presente, por mais diferentes nomes fosse ela conhecida, Gaia, Teia, Pachamama, Babalon, Isis, Mãe Maria, Ishtar, Mariah.

Algumas vezes, como na Idade Média, seus cultuadores foram seriamente perseguidos, presos e massacrados. Mas, talvez por ser como uma erva que acha sempre um meio de nascer e vir à luz do Sol, mesmo que seja num pátio asfaltado de estacionamento de um supermercado, o culto a Grande Mãe nunca morreu completamente, voltando sempre e sempre... Trazendo consigo sua mensagem de aceitação, renovação e crescimento. Por isto, muitas vezes, é confundido como um culto feminino, pois ele traz em si o poder do recolhimento silencioso, da gestação materna, da criação da nova vida e do cuidado amoroso durante crescimento, entregando confiante ao mundo o fruto de seu ventre, até que um dia venha a retomá-lo em seu seio, para o longo sono dos imortais. A Doutrina da Tradição guardou em seus tesouros de conhecimento uma série de ritos e práticas buscando fazer uma sintonia maior com a Grande Mãe. Os que têm acesso a este conhecimento e os colocam em prática, conseguem para as suas vidas proteção e fertilidade, que juntos formam a prosperidade serena.

domingo, 11 de outubro de 2009

Ervas Afrodisiacas

Tudo que ocorre saber sobre os afrodisíacos: as


especiarias afrodisíacas







Alimentos e AFRODISÍACOS



O termo afrodisíaco data ao menos 5.000 anos. Segundo o Dicionário dos Afrodisíacos de H. E. Wedeck, o termo afrodisíaco deriva do mito de Afrodite, a deusa grega do

amor, a mesma teria saido do mar dentro de uma concha de ostra.



Os alimentos afrodisíacos, não são certamente uma invenção moderna. A sua origem remonta a antiguidade, da cultura egípcia, grega e romana.



Os chamados afrodisíacos seguros, como as bananas, os espargos e as cenouras, cuja forma é semelhante ao orgão sexual, são consumidos por alguns para melhorar o desejo sexual.



Outros consomem partes de animais aclamados como potentes afrodisíacos. A consumação de tais partes de animais pode resultar desagradável para algumas pessoas, enquanto outras em vez, desejam provar alguns particulares ingredientes

afrodisíacos propício a melhorar o prazer sexual.











Especiarias AFRODISÍACA



Cravo



É um dos mais potentes afrodisíacos naturais. Além disso, é muito eficaz para combater o cansaço mental, como também a perda de memória.







Coentro



As suas sementes secas tem efeitos eufóricos, especialmente nas mulheres. É utilizado em infusões com vinho. Todavia se recomenda aos homens para não abusarem desta substância, pois neles, pode causar efeitos opostos.







Jasmim



Essa deliciosa flor é cultivada no mundo inteiro, mas é principalmente o jasmim espanhol a ser utilizado para aromatizar licores. Atenção: as sementes de jasmim são venenosas.







Ginger



É utilizado em bebidas destinadas a despertar a sensibilidade. Ingerido com moderação, causa ímpeto salutar; em dose excessiva, irrita o intestino.







Almíscar



Se trata de uma substância escura de odor muito ativo, extraida de uma glândula sito sob a pele do abdome dos cervos jovens que vivem no sudeste asiático. A respeito das suas origens não certamente apetitosas, é considerada uma panacéia para tratar epilepsia, coqueluche, febre tifóide e pulmonite. Além disso, é apreciada pelas suas virtudes afrodisíacas. É reduzido em pó e parcimoniosamente espalhado sobre a comida (causa vertigens se usado em excesso).







Noz-moscada



Não particularmente eficaz para as mulheres, mas para os homens tem a reputação de ser a melhor aliada. Provém da ilha de Banda, na Indonésia.







Orégano



Em infusão é um bom agente excitante.







Pimenta de Cayenna



Contém uma grande quantidade de vitamina C. É também um agente excitante que estimula a circulação. O pequeno chili vermelho ou verde mexicano, possui as mesmas qualidades.







Rábano



Sua polpa tem propriedade afrodisíaca.







Aipo



O aipo contém as vitaminas A, B, C, P e minerais. É excelente para os músculos e ajuda a liquefação do sangue; também serve para reduzir o nível de colesterol e ajuda a manter as artérias limpas. Os antigos Romanos dedicavam o aipo ao deus Plutão, deus do sexo e do inferno.







Mostarda



Estimula a ação das glândulas sexuais. Existem três qualidades de mostarda: preta, branca e amarela, proveniente da Índia. A mostarda conheceu um notável sucesso na Idade Média.







Tomilho



Erva que fornece óleo de poder anti-séptico. Da mesma erva igualmente se obtêm um tônico nervoso com efeitos afrodisíacos. É ainda um bom purificador para o corpo.







Baunilha



Possui efeitos eufóricos e pode ser consumida a vontade. Combate a astenia sexual, agindo no sistema nervoso central e, por meio do seu odor, age indiretamente como estimulante sexual.







Açafrão



Possui propriedades estimulantes das zonas eróticas. Os estudos têm provado que ha efeitos similares aqueles dos hormônios. Atenção ao seu consumo: doses excessivas provocam risadas incontroláveis.

Pra tudo existe um ritual..



Depois do banho a tua ausência sentia-se por toda casa, na minha mente veio-me um pensamento nostálgico, como seria numa noite só nossa?



A porta abriu-se, uma brisa de ar fresco entrou pela sala, junto a ela uma silhueta.

Um sorriso esboçou-se em teu rosto, teus olhos brilhantes olharam para mim com uma ternura imensa. Porém, por muito pouco tempo, a tua atenção estava toda virada por trás de mim. A tua curiosidade era enorme, vi fazeres um gesto com a cabeça, para um lado para o outro, despertando-me a mim a curiosidade de olhar, para trás.

A luz delicada da chama da vela iluminava a mesa produzindo um ambiente quente, romântico. A mesa estava adornada, composta, o aroma das iguarias era agradável.

A felicidade no teu rosto era visível, até para o mais incrédulo, tinha-te surpreendido, uma noite só nossa…



O champanhe adocicado estava num balde com gelo expectante a aguardar por ti, em nosso quarto…





O ar da noite estava quente, a elevação de temperatura despertava-me para um banho.


As chamas das velas reluziam uma luz trémula e ao mesmo tempo veemente, que difundia pelo quarto de banho tornando-o ambiente sedutor. Algumas pétalas rosa de tons variados, perfumavam e ornamentavam com refinação o chão. A minha pele nua coberta por uma toalha deslizava para a água quente.

Aromas induzem a fantasias e os banhos afrodisíacos sãosimplesmente fantásticoooss......

Use sabonetes e óleos perfumados e




tudo o mais que a imaginação



permitir!!!!!!!!


Quente ou morno, deve ser sempre acompanhado de bons produtos, tais como sabonetes, óleos perfumados, esponjas, xampus, cremes, sais (na banheira ou no chuveiro) e tudo mais que a sua criatividade permitir.O primeiro passo para o banho ser realmente um prazer é manter o banheiro e o box sempre bem limpinhos, livre de mofos e resíduos de sabonetes. Verifique sempre o chuveiro, muitas vezes os furinhos entopem e isso prejudicará o bom desempenho da ducha
Na hora de escolher o sabonete, prefira sempre aqueles de origem vegetal, existe uma infinidade deles, bons e a preços melhores ainda. Tanto pode ser líquido ou em barra. Fique atenta àqueles de fabricação artesanal, nem sempre cumprem aquilo que prometem. Existem os chamados cremes para banho, são deliciosos de aplicar, fazem espuma cheirosa e ainda hidratam a pele.




Banho Afrodisíaco
Encha uma banheira com água quente, coloque pétalas de flores, incluindo as de rosas vermelhas, 3 gotas de patcholy - encontrada em casas de essências - e alguns pedaços de canela em pau.
Acenda uma vela vermelha e apague as luzes. Entre na banheira e mentalize " tudo acontecendo" ou entre a dois e deixe mesmo tudo acontecer
Banho de Sedução
Na hora da sedução, lembre-se o alecrim ajuda a atrair num ambiente social, mas para cativar alguém muito especial, vá mais fundo:
Misture uma maçã vermelha cortada em quatro na vertical, alecrim, mel (sem exageros) e sete gotas de essência de jasmim. Entre, de preferência a dois para curtir o prazer deste banho.

Para lavar a alma
Dilua de oito a dez gotas de óleo de essência de tangerina numa colher de sopa de óleo de amêndoas. Junte à água da banheira. Acrescente uma colher de sopa de sal grosso e rodelas de tangerina e laranja.
Mergulhe, de preferência acompanhada e aproveite a energia que este banho proporciona!

Maguy Shantty, que indicou estes rituais, é uma "bruxa do bem" que estuda a cabala e o ocultismo. Para mandar um e-mail para ela clique aqui.

Acenda uma vela vermelha e apague as luzes. Entre na banheira e mentalize " tudo acontecendo" ou entre a dois e deixe mesmo tudo acontecer!!

Banho de Sedução
Na hora da sedução, lembre-se o alecrim ajuda a atrair num ambiente social, mas para cativar alguém muito especial, vá mais fundo
Aproveite a energia que esse banho  provoca... e mergulhe fundo!!










































































































:

Banhos afrodisiacos

E uma otima dica para o amor, união e auto estima
Confira aqui as dicas.

Nada melhor que um banho a dois para relaxar, excitar, recuperar a intimidade e acabar com a rotina. O banho ajuda a relaxar o corpo para o sexo. Os aromas induzem a fantasias e enriquecem o tratamento a dois. É um tipo de contato delicado, servindo como uma preliminar.


Comece o banho usando o sabonete de rosas. A seguir, prepare um banho de imersão com o sal vermelho feito com pétalas de rosas vermelhas e com os aromas de óleos essenciais de sândalo, rosa, patchouli e ylang-ylang (extraído de uma flor da Indonésia que era chamada de jasmin dos pobres por seu cheiro adocicado). Na antiguidade, o ylang-ylang era colocado sob a cama dos casais na noite de núpcias por seu perfume sensual.




Depois do banho, o casal pode hidratar a pele, passando o "tantra oil". Ele é usado para massagens sensuais depois do banho de imersão. Tem os mesmos aromas do sal de banho e ajuda a prolongar o jogo da sedução.

Como preparar




Coloque três colheres de sopa do sal para banho a dois, que tem pétalas de rosas vermelhas secas, na banheira cheia. Se quiser incrementar, acrescente velas flutuantes, algumas gotas do óleo essencial de ylang-ylang e pétalas frescas.



Criar um ambiente diferente também ajuda a dar um toque especial. Use e abuse de velas e toalhas coloridas. Procure preparar o banho junto do parceiro para ter um clima gostoso no ar.
 
fonte Folha ONLINE
RECEITAS




PARA DESCANSAR



INGREDIENTES



2 colheres (sopa) de óleo carreador

8 gotas de óleo essencial de manjerona

1/2 xícara (chá) de folhas frescas de manjericão

1/2 xícara (chá) de folhas frescas de alecrim

1/2 xícara (chá) de folhas frescas de sálvia

4 xícaras de água fervente



MODO DE PREPARO



Misture o óleo essencial de manjerona com o óleo carreador. Pique delicadamente as ervas para liberar seus aromas, adicione-as à água fervente e deixe descansar por 20 minutos. Encha a banheira, misture a infusão e o óleo à água e relaxe por 30 minutos.



PARA APAIXONAR



INGREDIENTES



1/2 xícara de água de rosas

4 gotas de óleo essencial de rosa

4 gotas de óleo essencial de ilangue-ilangue

2 gotas de óleo essencial de gengibre



MODO DE PREPARO



Despeje a água de rosas na banheira e adicione os óleos essenciais despejando-os na água morna.



BANHO DE LEITE E MEL



INGREDIENTES



1/2 xícara (chá) de mel líquido

3 xicaras (chá) de leite em pó integral

5 gotas de óleo essencial de rosa

5 gotas de óleo essencial de ilangue-ilangue



MODO DE PREPARO



Misture todos os ingredientes em uma jarra e despeje aos poucos na água da banheira. Mexa para dissolver e relaxe por 20 minutos.



PARA ADORMECER



INGREDIENTES



2 gotas de óleo essencial de neroli

2 gotas de óleo essencial de rosa

2 gostas de óleo essencial de lavanda

2 gotas de óleo essencial de ilangue-ilangue



MODO DE PREPARO



Adicione os óleos à banheira cheia, movimentando bem a água para que eles se dispersem. Relaxe por 20 minutos.



Fonte: Livro ´Banho: Histórias e Rituais´


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Gato desaparecido é encontrado a 3,8 mil km de casa

O gato Clyde, que estava desaparecido havia três anos de sua casa, na ilha australiana da Tasmânia, finalmente reapareceu, a 3,8 mil quilômetros de distância, em Queensland.

A dona já havia perdido as esperanças de reencontrá-lo quando foi contactada por uma veterinária, que havia descoberto que o gato tinha um microchip com informações sobre ela.

Ainda não se sabe exatamente o que aconteceu com Clyde e como ele foi parar em Queensland. A única informação confirmada é que lá ele foi acolhido por uma enfermeira, que cuidou dele por um ano.

"Não sabemos como ele chegou lá, mas sabemos que ela é enfermeira e mora ao lado de um estacionamento de trailers, então pensamos se ele não foi levado por alguém que estava viajando e acabou entrando na casa da enfermeira, e seguindo ela para o hospital, até que ela decidiu dar comida para ele e levá-lo para casa. Ela cuidou dele muito bem", disse a dona do felino, Katrina Phillips.

Mas a enfermeira teve que se mudar e acabou levando Clyde para uma veterinária, que descobriu que ele tinha um microchip. Depois de checar a identidade do gato, ela localizou a dona na Tasmânia.

Katrina Phillips e a filha, Ashleigh Sullivan, não conseguiram conter a emoção quando se reencontraram com Clyde nesta quarta-feira. Elas dizem que ele foi muito bem tratado e está até um pouco acima do peso.

Dan Brown fala sobre 'O Símbolo Perdido'

O novo livro do escritor Dan Brown, autor do best-seller O Codigo da Vinci, começou a ser vendido na última terça-feira em diversas partes do mundo.

O Símbolo Perdido narra a procura por uma pirâmide que pode desvendar um mistério. No centro da trama está o pouco conhecido mundo da maçonaria.

Em entrevista à BBC, Dan Brown contou por que decidiu escrever sobre a maçonaria: "Sempre fui fascinado por poderes paralelos, sociedades secretas, esse tipo de coisa", disse o escritor.

"Eu cresci numa cidade, em New England, onde havia uma loja maçônica em cima do cinema, e não tenho nem ideia do que acontecia ali", acrescentou. "Então sempre fui interessado."

Quanto à possível polêmica que o livro pode causar, Brown diz que não sabe como o livro vai ser recebido.

"Não sou a pessoa certa para responder essa pergunta", afirma. "Não pensava que O Código Da Vinci causaria tanta polêmica."

"Não acho que a maçonaria seja retratada como sinistra", avalia o autor. "Se o leitor vê a maçonaria como sinistra no começo, espero que até o fim do livro já não ache o mesmo, e veja que os símbolos são esclarecidos para que as pessoas entendam melhor."

Para o maçom Joseph Criciata, a exposição que o livro trará não afetará a fraternidade. "A nossa era moderna começou em 1717, portanto, apesar de ser muito gentil, a maçonaria por si mesmo continua a crescer e existir como como sempre foi", afirmou.

Na primeira tiragem de O Símbolo Perdido, foram impressas 6,5 milhões de cópias na língua inglesa, um dos maiores números da história. Dan Brown já planeja o próximo livro.

Notícias relacionadas

Infecções podem acelerar perda de memória em pacientes de Alzheimer
8 setembro, 2009
Cientistas identificam genes ligados ao Alzheimer
6 setembro, 2009
Cafeína reverte perda de memória em ratos com Alzheimer, aponta estudo
6 julho, 2009
Viver sozinho na meia-idade agrava risco do Alzheimer, diz estudo
3 julho, 2009
Britânicos criam novo teste para ajudar a identificar demência
10 junho, 2009
Continuar trabalhando pode adiar demência em idosos, diz estudo
18 maio, 2009
Droga experimental 'reverte' mal de Alzheimer, dizem cientistas
7 maio, 2009
Alzheimer 'dá sinal' no cérebro décadas antes de se manifestar, diz estudo
7 abril, 2009
Música pode retardar Alzheimer, diz estudo
24 fevereiro, 2009
Insulina pode ajudar no tratamento de Alzheimer, diz estudo


Maiores informações click no link abaixo
http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2009/09/090921_alzheimerestudo_ba.shtml

Casos de Alzheimer vão dobrar e chegar a 75 milhões em 20 anos, diz estudo


Mais de 35 milhões de pessoas sofrem do Mal de Alzheimer hoje em dia, e a previsão é de que o número de casos quase dobre a cada 20 anos, de acordo com um estudo do King’s College of London divulgado nesta segunda-feira, o Dia Mundial do Alzheimer.

O número é 10% maior do que as previsões de alguns anos atrás porque as estimativas não levaram em consideração o crescente impacto da doença sobre países em desenvolvimento.

A expectativa é de que se chegue a 115 milhões de pacientes em todo o mundo até 2050.

O estudo é parte do World Alzheimer Report, divulgado pela Alzheimer’s Disease International.

Mundo envelhecido

Segundo o relatório, o aumento da demência está sendo impulsionado pelo aumento da expectativa de vida em países mais pobres.

Apesar de a idade ser o principal determinante do Mal de Alzheimer, alguns outros fatores que causam doenças cardíacas – como obesidade, colesterol alto e diabetes – parecem aumentar também o risco de demência.

O custo de cuidar dos pacientes de demência não é só uma questão social, mas também econômica, aumentando a carga sobre a população economicamente ativa e os sistemas de saúde, afirma o relatório.

Os avanços nos tratamentos de saúde e nutrição vão ter maior impacto sobre países pobres e, como resultado, o número de idosos deve aumentar rapidamente nesses países.

Atualmente, calcula-se que apenas metade dos pacientes de demência vivam em países pobres ou de renda média, mas a expectativa é de que esta proporção suba para mais de 60% dos pacientes até 2050.

Além disso, o estudo sugere que a proporção de idosos que sofrem de demência é mais alta do que se imaginava em algumas partes do mundo, aumentando as estimativas.

Segundo o psiquiatra Martin Prince, um dos autores do estudo, os números são impressionantes.

“O atual investimento em pesquisa, tratamento e cuidados é, na verdade, bastante desproporcional ao impacto geral da doença sobre os pacientes, seus enfermeiros e terapeutas, nos sistemas de cuidados sociais e de saúde e sobre a sociedade”, diz ele.

Segundo a Alzheimer’s Disease International – uma organização que reúne grupos de vários países -, outros países deveriam seguir o exemplo de Austrália, França, Coréia do Sul e Grã-Bretanha e desenvolver planos de ação para combater o impacto da doença.

O relatório recomenda à Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar a demência como uma prioridade no campo da saúde e ainda um aumento no investimento em pesquisas para tentar encontrar a cura, ou novos tratamentos para a doença.

Até hoje não há cura para o Mal de Alzheimer e os remédios apenas aliviam os sintomas temporariamente. Os cientistas não têm, sequer, certeza do que causa o Mal de Alzheimer

Japonês de 74 anos vence competição de fisiculturismo

Foi realizada no último domingo, em Tóquio, a competição de fisiculturismo Japan Masters Bodybuilding.

As vésperas do dia do Respeito ao Idoso, celebrado no Japão, não faltaram competidores para as categorias sênior da competição.

O japonês Tsutomu Tosaka, de 74 anos, foi o vencedor da categoria de mais de 70 anos.

Neste ano uma nova categoria foi incluida na competição, a de idade superior a 75 anos.

O Japão tem uma grande população de idosos e a maior expectativa de vida do mundo.

Especialistas acreditam que isso se deve a uma dieta saudável, um sistema de saúde de qualidade e uma tradição de manter-se sempre ativo.

Clique Leia mais na BBC Brasil: Uma em cada quatro mulheres no Japão tem 65 anos ou mais

Sul-africana dividir casa com 14 felinos


Uma sul-africana deixou o emprego por que Manteve 22 anos e vendeu tudo o que tinha para conseguir realizar seu sonho de infância: viver cercada de felinos em sua própria casa.

Riana van Nieuwenhuizen, de 46 anos, mora com nove guepardos, leopardos três, um leão e uma onça-pintada, além de dois lobos e três cachorros, em um rancho em Bloemfontein, na África do Sul.

Todos Têm liberdade para andar por casa qualquer lugar, com ela Dividindo o sofá da sala, a cozinha da mesa e até uma cama.

"Todos diz ela Vivem juntos harmoniosamente".

ONG

Van Niuwenhuisen, trabalhava que no Departamento de Justiça sul-africano, conta que uma decisão se demitir e Criar animais não foi "impulsiva".

"Eu já estava ativamente Envolvida com uma ONG de proteção aos animais havia dez anos, como voluntária para Criar filhotes órfãos", lembra.

Seu primeiro animal foi uma fêmea de guepardo batizada de fiela. "Mas ser dona de um bicho não era para mim suficiente. Eu queria ter um projeto para Criar filhotes de guepardos, pois hoje existem mil deles só em toda a África", diz,.

Ela hoje dirige o Experience Cheetah, que promove uma preservação da espécie.

fONTEhttp://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/04/090406_guepardosml.shtml

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Calendário Maia e o ano de 2012


O calendário maia acaba em 2012 e uma estranha série de eventos terríveis (colisão de meteoros e planetas com a Terra, previsões de muitos ‘paranormais’ sobre o fim do mundo em 2012 e problemas de conservação do nosso planeta como o efeito estufa) parecem estar convergindo para nos falar sobre a destruição da humanidade naquele ano. Recentemente nós reportamos que um ciclo solar que terá seu pico em 2012 trará tempestades solares que podem deixar boa parte da humanidade na escuridão por meses antes que os reparos sejam efetuados. Durante este período o caos irá se instaurar em várias partes do mundo.

Nosso planeta também parece estar sofrendo alguns os sintomas da nossa ocupação. De acordo com alguns cientistas ‘malucos’ somos uma espécie de parasita para o planeta e ele inevitavelmente irá reagir contra a ‘infecção’.

Meteoros gigantescos já caíram na Terra causando muita destruição e isto pode ocorrer novamente.

Coincidentemente o calendário maia que era usado no topo daquela civilização também acaba em 2012. Seria esta uma profecia maia? Coincidência mesmo? A profecia maia já tomou uma grande proporção na internet pelo mundo todo com milhões de adeptos acreditando firmemente que o mundo vai acabar em 2012. A profecia maia está vendendo muitos livros e rendendo muitas palestras, documentários e DVDs pelo globo. Há uma infinidade de teorias diferentes.

O calendário de conta longa é apenas um entre os vários que os maias usavam. Assim como os nossos meses, anos e séculos, ele se estrutura em unidades de tempo cada vez maiores. Cada 20 dias formam um “mês”, ou uinal. Cada 18 uinals, 1 tun, ou “ano”, cada 20 tuns faziam um katun e assim sucessivamente. Enquanto o nosso sistema de contagem de séculos não leva a um fim, o calendário de conta longa maia dura cerca de 5.200 anos e se encerra na data 13.0.0.0.0, que para muitos estudiosos (não há um consenso a respeito) corresponde ao nosso 21/12/2012.

Isso não significa que eles esperassem pelo fim do mundo naquele dia. “Os povos ameríndios não tinham apenas uma concepção linear de tempo, que permitisse pensar num fim absoluto”, diz Eduardo Natalino dos Santos, professor de história da América Pré-hispânica da USP. “Em nenhum lugar se diz que o ciclo que estamos vivendo seria o último.” A maioria dos estudiosos acredita que, após chegar à data final, o calendário se reiniciaria. Assim como, para nós, o 31 de dezembro é sucedido pelo 1 de janeiro, para eles o dia 22/12/2012 corresponderia ao dia 0.0.0.0.1. [Galileu]

A realidade é que a profecia maia é, do ponto de vista científico, apenas um mito. E mesmo se existisse uma profecia, porque uma cultura que fazia sacrifícios rituais humanos deveria ter qualquer credibilidade em afirmar o que aconteceria séculos depois com o planeta?

E as previsões que o próprio HypeScience já publicou sobre futuras possíveis catástrofes globais? Essas previsões com base científica (das tempestades espaciais, do meteoro, etc.) usam observações, deduções e previsões sólidas e envolvem especialistas de diversas áreas do mundo todo. Mas tudo é apenas conjectura, uma possibilidade que varia de zero a 100%. Inclusive não se sabe se o ano 2012 será mesmo o ano das piores tempestades solares, já que ao final do ciclo solar os dois últimos anos de atividade costumam ser mais fortes.

Já houve centenas de profecias na história da humanidade que disseram que o mundo iria acabar e ninguém acertou até agora. Se eu fosse apostar sobre 2012 ser ou não o último ano da humanidade, eu certamente não apostaria nos profetas. E você?

UPDATE! Eu havia esquecido de mencionar que o Thiago foi um dos comentaristas que ajudou a inspirar este artigos nos comentários ‘altamente proféticos’ do artigo Tempestade espacial será catastrófica para a Terra até 2012.

fontehttp://hypescience.com/profecia-maia-calendario-2012/

Espiritismo e Misticismo: semelhanças e diferenças


Muito se tem estudado sobre as relações entre as diversas correntes espirituais e cada vez mais as pesquisas apontam para uma universalidade religiosa. Dizemos universalidade no sentido de encontrar uma base comum entre as religiões e os sistemas espirituais e não cair no erro de criar uma concha de retalhos.

No Brasil é muito comum vermos estudantes espíritas iniciando seus estudos de tradições esotéricas e místicas. Cada vez mais, os buscadores sinceros firmam seu interesse em práticas mais profundas, mais diretas, mais claras e mais objetivas, visando não apenas a teorização dos principios filosóficos, mas a experiencia destes como ferramenta de transformação interior.

Vamos refletir sobre algumas das diferenças e semelhanças entre o misticismo e o espiritismo em linhas gerais, para que os buscadores possam melhor entender essas questões.

Diferenças:

1) O Misticismo ensina que o ser humano é o Mestre de si mesmo, e nao há outro mestre senão o seu Mestre Interno. Nesse sentido, nao há necessidade de buscar mensagens de ensinamentos fora de nós, muito menos em outro plano. Os espíritos não são mais evoluídos só por que são espíritos. Não há diferença entre a sabedoria de um encarnado e a sabedoria de um desencarnado. Porém, quando alguns mestres espirituais encarnados libertam-se do jugo e dos limites impostos pela vestimenta física, eles passam a expressar mais completamente sem potencial, sendo mais eles mesmos.

2) Os ensinamentos tradicionais apontam para o crescimento e desenvolvimento do ser. O Espiritismo ensina que devemos evoluir pelas experiências da nossa vida. O misticismo fala de uma via muito mais rápida e direta: a via iniciática. Em vez de preocupar-se com a anulação do karma negativo em karma positivo, é muito mais importante a transmutação de todos os nossos atos. Quando existe essa alquimia interna, nossos atos não mais produzem efeitos no mundo objetivo, o que torna impossível a geração de resultados que venham a produzir causas e efeitos. Nosso ser estará elevado a ponto de não provocar modificações que possam alterar nossa roda de causas e efeitos.

3) O Espiritismo crê que fomos criados por Deus simples e ignorantes. Mas essa proposição encontra uma contradição fundamental: como é possível que Deus, sendo perfeito, possa ter criado seres imperfeitos? O misticismo não crê necessariamente num Deus único, no sentido de um regente universal, que atua no Universo. O Misticismo fala de uma essencial realidade, eterna e inefável, infinita e imanifesta. Segundo o Misticismo, os seres viventes é que criam a sua própria realidade, e fazem isso quando se “separam” do absoluto essencial. Mas essa separação é toda ilusória e o ser jamais deixa de possuir a mesma natureza da realidade essencial. Nesse sentido, o ser é a própria realidade divina inconsciente de si mesma. Em outros termos, o ser é o Todo em miniatura, sendo perfeito em suas potencialidades.

4) O Espiritismo sempre ensinou uma via baseada na fé. Ou seja, um caminho onde é necessário ter acreditar em algum médium ou em algum espírito puro que revelou uma mensagem. O Espiritismo é, assim, pautado na revelação. Não há qualquer técnica ou conhecimento dentro da Doutrina Espírita que permita o acesso direto ao cerne do conhecimento revelado pela espiritualidade. É preciso recorrer à fé ou a um exame lógico, que se é melhor do que a fé cega, mesmo assim ainda possui múltiplas limitações, pois limitado é a nossa capacidade mental. A análise meramente intelectual, fria e distante dos fenômenos jamais poderá trazer à tona uma consciência direta sobre os princípios envolvidos. O misticismo trata desse contato direto e ensina os meios que cada buscador tem de acessar os princípios do que é ensinado e, dessa forma, verificar por si mesmo a validade daquela sabedoria. Esse é um método que se assemelha a ciência moderna, mas que a transcende de várias formas.

5) O Espiritismo acredita numa individualidade eterna, que desde o momento de sua criação divina, nada mais fará a não ser ganhar e ganhar em evolução. Não importa o que se faça, em determinado momento essa individualidade chegará a perfeição, e mesmo chegando a perfeição, continuará a ser uma individualidade. A noção de perfeição em hipótese alguma pode aceitar uma preservação da individualidade, pelo simples motivo que a individualidade é limitada em si mesma, desde a sua formação. A individualidade é um limite, e nada do que é perfeito pode ser limitado. O perfeito deve ser ilimitado e infinito, deve incluir todas as coisas, não aceitando qualquer tipo de limite. Nesse sentido, não há qualquer possibilidade de haver uma perfeição como individualidade. E muito menos haver um espírito perfeito, separado de outro espírito perfeito, distinto de um terceiro espírito perfeito, e assim por diante. Tal separação sempre pressupõe um limite, e a concepção de perfeição jamais pode sugerir uma concepção, qualquer que seja, de algo restrito e incompleto.

6) O Espiritismo crê na supremacia da razão; acredita que apenas o instrumento da intelecção pode conduzir o homem a evolução. Essa concepção é herdada da época de arraigado materialismo que viveu Alan Kardec. O Misticismo fala da insuficiencia da razão em dar conta de todo o conhecimento absoluto e que o ser humano precisa elevar sua consciência além do intelecto para despertar uma sabedoria superior. O misticismo vira a razão de cabeça para baixo e procura mostrar a sua carência; o Espiritismo procura adaptar-se a razão e as pesquisas cientificas. Apesar do misticismo não negar estas pesquisas e valoriza-las, não subsiste a crença de que o conhecimento humano se esgota com a ciência.

7) O Espiritismo procura caracterizar a Deus, dar-lhe diversos adjetivos para melhor compreende-lo. O misticismo não usa o arfício da análise para produzir qualquer conhecimento relativo ao absoluto, mas enfatiza a necessidade de seguir a equação proposta por Jesus quando disse “Eu e o Pai somos um”. Ou seja, o misticismo ensina que o ser humano é um só com a divindade, que os limites que supomos existir que nos separam do absoluto são mera ilusão de nossa percepção, eles não existem de fato. Não existem os limites das coisas a não ser quando os consideramos, mas apenas o limite de nossa consciência. O Espiritismo vê uma separação entre o espírito e Deus; o misticismo nega essa separação e afirma uma correspondência e similaridade. Essa ideia está bem exposta na frase “O Homem foi criado a imagem e semelhança de Deus”. Ou seja, o ser humano, para o misticismo, é um universo em miniatura e possui todos os atributos da divindade em estado latente, tal como uma semente contém, em estado potencial, a arvore inteira.

Espiritismo e Misticismo: semelhanças e diferenças

Semelhanças:

1) Tanto o Espiritismo quanto o Misticismo acreditam na existência de um princípio espiritual divino e criador.

2 ) Ambos, Espiritismo e Misticismo, falam da existência de mestres espirituais. No Espiritismo eles são chamados de espíritos puros, no Misticismo eles não possuem um nome fixo, mas são comumente chamados de Mestres.

3 ) Espiritismo e Misticismo defendem a existência de um sentido da vida. O universo não é regido pelo mero acaso, há leis que regulam seu funcionamento. Tudo existe orientado por um propósito superior, que ainda nos escapa a compreensão.

4) Tanto o Espiritismo quanto o misticismo creem na sobrevivencia após a morte. Apesar do Espiritismo dar muito mais valor ao estado e as condições póstumas, ambos concordam que há no individuo um princípio que não se encerra na matéria.

5) O misticismo acredita na existência de vários planos ou níveis de consciência e realidade. O Espiritismo possui uma noção semelhante, quando aborda sobre a escala espírita, ou seja, o grau de adiantamento moral dos espíritos. Essa escala vai desde os espíritos inferiores até os espíritos puros.

6) O Misticismo e o Espiritismo concordam que tudo no universo tem uma composição fluidica, ou seja, todas as coisas são constituidas de uma energia. A energia é o veículo universal pelo qual o ser ou espírito se manifesta na cadeia universal de evolução. Desde a matéria bruta ao arcanjo, tudo é composto de vibrações, das mais densas as mais sutis.

7) O Espiritismo e o Misticismo ensinam que não há vazio no cosmos, tudo é preenchido por uma realidade que nossos sentidos não podem ainda captar; há um imenso manancial de energia potencial onde alguns supoe existir o vazio no espaço. Apesar de algumas correntes do misticismo oriental falarem sobre o vazio, ou vacuidade, há um consenso de que o vazio sempre contém algo que ainda não conhecemos e que reside em estado latente.

(HugoLapa)

Atendimento com Terapia de Vidas Passadas no RJ e em SP.

TEL RJ: 2268 1252 / 8551 0055

TEL SP: 9502 2176

MAIL: lapapsi@gmail.com

O que e Apometria


Apometria é um conjunto de princípios e técnicas que tem como objetivo o tratamento, a harmonização e a conscientização dos múltiplos aspectos que movem as energias humanas. Todos nós somos um agregado de vários níveis de consciência. Esses níveis são também energias. Essas energias podem entrar em conflito, desequilíbrio, desarmonia, etc com todas as outras. Nosso agregado não é íntegro e fluido. Ele apresenta inúmeras fragmentações, pois nós mesmos somos fragmentados de nós mesmos. Muitas vezes, existem partes de nosso ser que convivem em completa divergência e conflito com outras partes. A Apometria visa o tratamento dos níveis de consciência e das energias que se irradiam a partir dos níveis.



Apometria trabalha com o desdobramento dos corpos, níveis e subníveis. Nesse sentido, é possível que o apômetra desdobre esses níveis espirituais e os conduza a tratamento no plano astral. Existem espíritos de luz que realizam todo o tratamento dos níveis quando eles são desdobrados. Além disso, existem técnicas para tornar nosso corpo etérico mais maleável e flexível, diminuindo a sua coesão intermolecular. Assim, os doutrinadores podem emanar energias positivas, de purificação, às pessoas e realizar todo um tratamento com as diversas energias cósmicas que estão a nossa disposição.


Existem vários procedimentos que podem ser realizados em uma pessoa para tratamento. Para iniciar os trabalhos, abrimos a freqüência da pessoa. Isso significa que sua energia foi dissociada e ela pode ser visualizada ou percebida pelos médiuns, através da incorporação clássica, ou através apenas da percepção daquela energia no plano espiritual ou plano astral. Aberta a freqüência da pessoa, através de técnicas específicas, é possível realizar o tratamento dos corpos espirituais. Estes são corpo etérico, astral, mental inferior, mental superior, búdhico e átmico. O Átmico não é exatamente um corpo, como se diz por ai no meio apométrico. O Átmico é a centelha divina presente no âmago de cada um de nós, portanto, não podemos dizer que ele é um corpo, pois esta essência divina não está dissociada da própria essência do Todo, do absoluto, ou Deus.



Assim, as pessoas podem receber um tratamento em seus níveis e subníveis, através da irradiação de energias de diversos tipos. Uma prática muito comum na Apometria é a cromoterapia mental, que em minha visão é muito mais eficiente que a cromoterapia feita com luzes físicas. Isso por que a mente é o agente universal catalisador de energias cósmicas, ela pode sintonizar com os raios cósmicos que dão origem as diferentes gradações da energia universal. A mente está muito mais próxima da energia cósmica do que a matéria, nesse sentido, a energia luminosa mental é muito mais poderosa em seus efeitos do que a energia física da luz.



Nos trabalhos apométricos geralmente há médiuns e doutrinadores. Os médiuns são os sensitivos que procuram captar psiquicamente aquilo que ocorre no plano espiritual para que se torne possível o tratamento. E há os doutrinadores, que são aqueles que conduzem os trabalhos, orientam o que será feito, trabalham com as energias, encaminham os obsessores, estabelecem contato com personalidades passadas ou subpersonalidades para harmonização, etc.



O apômetra não precisa ser necessariamente um médium ou um sensitivo, ele também pode ser um doutrinador. Porém, de qualquer forma, deve deixar sua intuição fluir, pois mesmo aqueles que não são médiuns podem receber mensagens do plano espiritual sobre qual condução devem dar ao tratamento em questão.



Uma pessoa que se desdobra não é necessariamente médium. Tenho observado que muitas pessoas que acreditavam não possuir mediunidade chegaram a Apometria e lá descobrem o potencial que possuem. Isso por que a mediunidade na apometria é vista de uma forma diferente. O médium apômetra não deve incorporar uma entidade e permitir que esta tome “posse” de suas funções corporais. O sensitivo deve apenas procurar “visualizar” o que ocorre no plano espiritual e manter-se mentalmente afastado das entidades, embora esteja interagindo energeticamente com elas. Assim, a projeção na apometria não é apenas astral, mas mental, no sentido de que não necessitamos do deslocamento do corpo astral até o “espaço” no plano espiritual onde reside a desarmonia, em forma de nível, personalidade passada, subpersonalidade, trabalhos de magia negra, aparelhos parasitas, etc.



A Apometria possui um conjunto de técnicas de desobsessão que é muito abrangente e profundo. Eu diria que na Apometria as técnicas de desobsessão são muito mais diretas, elas vão logo ao ponto. O doutrinador não necessita permanecer apenas no discurso com o obsessor, ele pode fazer o espírito ver as conseqüências de seus atos e assim, é muito mais simples que ele deixe o caminho negativo que está percorrendo, pois sabe que a lei do karma irá pegá-lo de qualquer forma e que não há como escapar das conseqüências dos seus próprios atos, pensamentos e sentimentos.



A obsessão de espírito é esta que descrevemos acima. Além desta, na apometria, há mais duas formas de obsessão, que é a obsessão de personalidade de vida passada e a obsessão de subpersonalidades. A obsessão de Personalidades de vidas passadas ocorre quando a pessoa que fomos no passado não aceita o que somos hoje em dia, ou possui muitas desarmonias a ponto de estar influenciando negativamente a personalidade atual. É possível então invocar a personalidade passada e trata-la através de uma série de técnicas espirituais, que a literatura da Apometria descreve e ensina.



Além desta, há também o que chamamos de subpersonalidades. Estas são criadas na vida atual e apenas nesta, através de certas situações intensas e negativas que vivemos e que acionam certos mecanismos de defesa do nosso psiquismo, criando assim uma personalidade que esteja à parte do processo global do nosso psiquismo e dissociada da personalidade atual. As subpersonalidades podem tomar autonomia e se tornar independentes de todo o restante, percorrendo caminhos diferentes e criando divisões em nossa consciência. Nossa personalidade fica fragmentada em várias partes, que podem sugar nossas energias e entrar em oposição e conflito com a personalidade atual. Tudo isto são formas de obsessão que podemos tratar na Apometria.



As técnicas apométricas podem ser realizadas isoladamente, mas é extremamente difícil e só deve ser conduzida dessa forma por um médium muito bem treinado e com o suporte da espiritualidade, quando há uma necessidade urgente de algum trabalho. Tirando isso, sua realização é apenas indicada dentro de um grupo muito bem treinado, com dirigentes experientes e com a mente aberta. Os médiuns devem possuir o mínimo possível de brechas e todos, sem exceção, devem buscar uma terapia que possa ajuda-los a se harmonizar. Observamos no Grupo Mahaidana que as pessoas que não fazem terapia ficam muito mais vulneráveis aos ataques do que outras que passaram por todo o processo terapeutico. Nesse sentido, uma terapeita bastante próxima a apometria e que possui muitos paralelos e pontos em comum é a Terapia de Vidas Passadas.



No grupo que coordeno aqui em SP contamos com quatro equipes de médiuns e doutrinadores que trabalham com as técnicas. Em nosso grupo, ninguém permanece trabalhando se não estiver se tratando e não estiver harmonizado. Nesse sentido, antes de aceitar qualquer pessoa no grupo, realizamos uma entrevista e verificamos se a pessoa está equilibrada o suficiente para participar.



Apometria sofre muitos ataques dos partidários do “caminho da mão esquerda” e seus adeptos buscam a todo custo a desconstrução do trabalho. Isso é feito através do alimento ao ego dos trabalhadores, o fascínio pela técnica, a sensação de poder que o uso das energias provoca, a distorção dos ensinamentos, o fundamentalismo religioso e de idéias, as brigas, a inveja, o ciúme, a vampirização de energia dos trabalhos e até mesmo a dissimulação de certas energias. Como exemplo para esta última, existe a possibilidade dos obsessores apresentarem-se como mestres espirituais e transmitirem orientações equivocadas sobre os procedimentos do grupo. Cabe aos dirigentes percebem o conteúdo dessas mensagens e orientar-se muito mais pela sua intuição, pois o ataque não é apenas energético, mas também de vestir a mentira com capa de verdade.

(HUGO LAPA)

Atendimento com Terapia de Vidas Passadas no Rio de Janeiro e em São Paulo. TEL: (021) 2268 1252 / (021) 8551 0055

MSN: hugolapatvp@hotmail.com